bambino morto a Genova

Bem meninas,olhem esse anjo ai ao lado,ele nao existe mais,infelizmente por causa de varios motivos essa crianca foi rejeitada desde quando estava no utero da sua mae!A mae que tinha uma relacao com um homem que a deixou quando ainda estava gravida (nunca entrara na minha cabeca que alguem tenha um filho e nao queira assumi-lo!)pois esse anjo renegado desde a sua concepcao,foi embora cedo,por culpa da cocaina,um mal que a cada dia esta mais perto de todos nos! Alessandro de apenas 8 meses,morreu a genova,aqui na italia,de traumatismo craniano,ainda se investiga se foi a mae,ou seu namorado(que nao era o pai da crianca) quem cometeu o homicido,como sempre acontece nesses casos,um acusa o outro,eu conto para voces a historia,mas somente eles,os envolvidos poderao saber o que realmente aconteceu! A jovem mae,conhece a depressao e a angustia depois que foi abandonada pelo pai da crianca,e depois do nascimento de alessandro comeca a usar cocaina,conhece um jovem empresario que tambem faz uso e comecam a namorar...numa noite de primavera,vao jantar a portofino (localidade vip,perto de genova)ela leva a crianca,a moca sempre descrita como uma mae carinhosa e atenciosa,ele descrito como empresario serio e respeitado pelos vizinhos,num condominio de luxo na cidade,voltamos a descricao daquela noite,eles vao para o apartamento do rapaz,o menino dorme,eles comecam a usar cocaina...a mae,nao era satisfeita,saiu para comprar ainda mais droga,quando voltou o pequeno dormia,ela usou a droga,fino a esse ponto os dois contam a mesma historia,daqui para frente pegam duas estradas diferentes,ele conta que no meio da noite,acorda com os gritos dela com o bebe que chorava,o pegou e o lancou no chao batendo a cabeca dele...ela nao o acusa diretamente,diz somente que saiu,comprou a droga,fez uso,quando no outro dia procurou o bebe,ele estava gelado,ou seja,morto de algumas horas,quem conta a verdade nao sabemos,a unica coisa certa e que em meio a um raptus de furia provocado pela droga, provavelmente o pequeno alessando sentiu fome,acordou chorando,e um dos dois o matou,ou mesmo todos dois,a unica certeza e que esse bebe,rejeitado pelo pai,conheceu a morte cedo.

E dai eu pergunto para voces,pode a droga ser considerada o mal atual? como faz um homem nao reconhcer um filho e rejeita-lo? Voce enfrentou algum tipo de depressao pos-parto? em algum momento voce se sentiu desesperada e sem paciencia com teu bebe que chorava sem parar? conhece algum caso como esse? um abraco afetuoso e ate a proxima!

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

5 comentários:

Naiara Krauspenhar disse...

Ai gente que horror!!!!!
Fiquei chocada com isso...

Mila disse...

Nossa, que triste isso. Dá vontade de chorar olhando para esse anjinho lindo. Essa mãe vai carregar esse fardo pesadíssimo o resto da vida, se é que pode se chamar de vida o q ela está tendo depois desse trágico acontecimento.
Olha, ser mãe exige paciência, sabedoria, dedicação, amor e nos faz abrir mão de muitas coisas. Talvez não tenha faltado amor a essa mãe, ela pode ter deslizado numa das outras coisas das quais falei acima, não dá pra julgar, afinal só a pessoa sabe sua própria dor. A lei fará esse papel, de mensurar a pena. Que triste essa história, onde o começo errado levou a um fim dramático.
Eu não tive depressão pós parto, mas tive, em um outro momento, transtorno do pânico e só eu sei o que passei nessa fase. Ainda bem q era solteira, não tinha ninguém dependendo de mim, mas e se tivesse, como teria reagido? Difícil responder sem ter vivido esse problema nesse contexto.
Amo ser mãe, acredito q esse é o papel que melhor desempenho, pois exerço com o maior prazer do mundo, com muita paciência e amor, mas não passei por depressão depois q os tive, então pude desfrutar com prazer a maternidade.

Silvia disse...

que horror!! olha eu tive dpp e posso dizer que eu não gosto nem de lembrar da epoca... era horrivel!! tive um bebe que eu desejei e esperei tanto e quando ela nasceu eu simplesmente não a amava.. ela era pra mim como se fosse outro bebe qualquer... não é uma coisa boa de se falar mas era exatamente como me sentia... sentia uma raiva dessa nova situação, raiva de como minha vida tinha mudado,queria morrer, fugir, toda vez que ela chorava, eu passava o dia todo chorando... cheguei a sair de casa uma vez 3:00 da manha pq não aguentava mais aquilo. eu tinha certas reações que sabia que era errado mas não conseguia controlar...meu marido foi um anjo e me ajudava com ela... depois de algum tempo procurei ajuda e nossa foi a melhor coisa que fiz... o que me intristece é que perdi os primeiros meses da minha filha por causa dessa dpp...
hoje amo minha filha mais que tudo na vida!!!!
* so de lembrar dessa epoca me emociono demais...
bom, é isso!!
adoro o blog!!! bjs

dolce vita by cri disse...

nossa deve ser uma situacao angustiante passar por dpp,se nao for a presenca forte do marido,namorado,familiares perto,acho que a pessoa nao consegue superar,na maioria das vezes acho que e importante a ajuda de um profissional da area,eu gracas a deus nao tive,mas realmente nao e tudo flores no inicio,principalmente estando em outro pais,onde e tudo diferente da tua cultura,do teu modo de pensar e agir,teve horas dificieis,mas deu tudo certo ate agora!

☼Johanne Sollis ♫ ☼ disse...

Eu não gosto de julgar esta mãe. Pois fui uma que tive dpp e na época nem sabia o que era. Só muito mais tarde evoluiu para depessão profunda e ai entendí que tinha que procurar ajuda e melhorei. Por isso que é difícil julgar. Teria que estar na pele dela pra saber o que aconteceu. Ela pode até ter matado o filho num surto e sequer se lembra.

Postar um comentário

NAO SEJA TIMIDO, ESCREVA!!!! O QUE ACHOU DO ASSUNTO?
Para escrever teu comentario,escreva nesse quadrado branco aqui embaixo,apos aprovado ele aparecera no blog. obrigada